terça-feira, novembro 14, 2006

e-Commerce na China: números e tendências para 2006

China pode tornar-se o maior mercado online do mundo nos próximos 2 anos: o número de chineses plugados na Internet já passa dos 123 millhões e a quantidade de pessoas usando banda larga subiu para 45.3% durante a primeira metade deste ano, chegando a 77 milhões. Estudos mostram que um típico internauta chinês costuma passar 17.9 horas por mês (36 minutos por dia) envolvido em atividades online, seja bate-papo, blogando, jogando, ou comprando.

Investidores estrangeiros que quiserem abocanhar parte deste mercado vão ter que aprender a língua: 85% dos internautas chineses gastam seus tempo visitando sites com conteúdo em Mandarim. "A indústria da Internet é profundamente atrelada a conteúdo", diz o Professor Guo Liang, da Academia de Ciências Socials da China em Beijing, que recentement produziu o 18˚ relatório estatístico do desenvolvimento da Internet na China.

Olhando os números com calma, verifica-se que o e-Commerce tem demorado a se desenvolver na China por diversas razões, como a pouca penetração dos cartões de crédito, a desconfiaça do consumidor chinês, bem como a fraca infraestrutura logística e poucos canais de distribuição. Ávidas por fazer parte da revolução de consumo chinesa, empresas tanto estrangeiras quanto da China -- como China Mobile, DHL e UPS -- tem feito investimentos de tempo e dinheiro para enfrentar as dificuldades.

Tais esfoços tem dado retorno: consumidores chineses agora visitam em enxurrada sites de compra, como o da Joyo -- subsidiária chinesa da Amazon.com -- e seu concorrente Danddang, que recentente conseguiu captar 30 milhões de dólares de um fundo de investimento. Joyo -- assim como outros sites de compras -- tem expandido seus serviços, passando da venda de livros para eletrônicos e outros produtos, aumentando o número de produtos ofertados de 45.000 para 450.000 em apenas dois anos.

O crescimento da Joyo reflete o potencial de crescimento do e-commerce na China. Estima-se que mais de 2 milhões de chineses compraram produtos ou serviços online em 2001. Já em 2006, o número de chineses fazendo pedidos online deve passar de 20 milhões, segundo estimativas do China Market Research Group CMR. Este ano, espera-se que 2 de cada 3 chineses façam compras online, com livros e equipamento de informática como itens mais populares.

Outras estatísticas indicam crescimento em todas as áreas do e-commerce: em 2004, todo o mercado de leilões online da China girava em torno de 561 milhões de dólares; este número cresceu 200%, chegando a 1.7 bilhão de dólares em 2005, dos quais Taobao posiciona-se como um dos principais atores do mercado. Segundo o CEO do Alibaba.com, Jack Ma, Taobao vai em breve dominar o mercado de leilões online, batendo de frente contra o eBay.

Se tais tendências de crescimento continuarem, o volume de transações online na China deve chegar a 1 trilhão de iuanes (algo em torno de 89 bilhões de dólares), uma forte subida em relação aos 700 bilhões de iuanes do ano passado. "Podemos finalmente falar em explosão do e-commerce na China", diz Chi Congbing, analista do CCID Consulting.

Receba via RSS meu blog: { d3sign@TivE } Design, Tecnologia & Cultura Del.icio.us Sphere Yahoo Blogmarks Ma.gnolia Spurl Technorati Adicione ao Google Newsvine Furl CreativeCommons

Um comentário:

designinterroga-te disse...

No Mundo da criatividade o que é que nos distingue a nós designers, dos outros?

http://designinterroga-te.pt.to

participem!